Administrando o emocional…

Bom, ainda chegando mais tarde em casa e sem forças para escrever…

Essa semana foi meio chatinha no que diz respeito ao emocional e humor do Gui, o que acaba afetando os números também…Não lembro se comentei que ele ficou 3 finais de semana sem ver o pai, porque o Leo estava mega ocupado com eventos da empresa, então viu bem menos do que o normal. E o Gui sentiu. Apesar de ser super fechado, com jeitinho consigo que ele converse e desabafe algumas coisas…

Um dia ele passou algumas horas do sabado no evento do pai, e chegou em casa dormindo, ou seja, não conseguiu dar tchau…acordou triste e ficou assim até o dia seguinte. Eu sabia o que era, mas ele não quis falar, mas passou o domingo meio irritado, respondão, até eu sentar com ele e perguntar:
– o que você tem? porque está nervoso desse jeito??
– Não quero falar….
– Por quê não?
– Porque não quero que você fique triste…
– Gui, por favor, você pode falar qualquer coisa comigo, principalmente o que está sentindo. Se eu não souber, como posso te ajudar?
– To triste porque não dei tchau para o papai, porque ele está me vendo só no dia que tem trabalho e não estou dormindo com ele…
Nó na garganta à parte, expliquei a questão do trabalho, que logo voltaria tudo ao normal e ele voltaria a vê-lo a cada 15 dias, e no dia da semana que ele pudesse….e que eu não ficava triste por ele ter saudade, é normal já que ele não mora mais aqui….Ele me abraçou, voltamos a desenhar e ficou mais animado. Prometi que ligaria para o pai quando ele quisesse.

Bom, e depois desse tempo todo, quarta foi a primeira noite que o Léo veio pegá-lo para passar umas horas. Chegou de bom humor, contando que foi na casa da amiga do papai com os filhos dela, mas no dia seguinte passou quase mudo. Para completar, passou a semana com uma alergia no rosto, ficou todo vermelho. Passamos uma pomada indicada pela pediatra, sarou, mas hoje ele chegou do pai todo vermelho: pernas, bumbum, braços, costas….mais um anti-alérgico para a coleção…

Passou a tarde meio dengoso, e agora no final da dia deu um show porque não queria jantar, começou a chorar, e eu pedi que ficasse no quarto dele até nos acalmarmos….Fui conversar com ele de novo, e percebemos como as crianças guardam as coisas, e como na maioria das vezes a gente não percebe que TUDO que fazemos deve ser pensado…

– O que foi filho, vamos conversar?
– Eu ainda tô com saudade do meu pai…quando ele morava aqui eu tinha menos..(é, menos, não zero saudade)
– Olha, a gente tentou namorar de novo e não deu certo, porque somos amigos só, você entende isso?
– Sim
– Não é culpa dele, nem minha, e muito menos sua…você vai continuar tendo os dois, para sempre…entende isso também?
– Sim, mas é que no outro dia que ele veio me buscar, eu não queria ter ido passear com mais gente, eu queria ter ficado só com ele na casa da vovó, porque daí eu teria ficado mais tempo com ele e a saudade passaria…
– Então explica isso para ele, tenho certeza que vai adorar saber que você prefere ficar com ele do que com outras crianças, mesmo que você adore brincar!
– Tá, vou dizer….posso comer mingau? Não quero comida….
– Pode filho, vou tomar também….

E o que isso tem a ver com diabetes??? Quando você olha os números altos sem motivo algum, fica fácil entender….Hoje em dia, tudo tem reflexo na glicemia, e é só por isso que estou escrevendo tudo isso, porque o que fazemos em nossas vidas hoje não nos interessa e nem nos afeta mais, conseguimos superar isso, mas o que fazemos ou deixamos de fazer, vai continuar PRA SEMPRE afetando o Gui…. dica, do fundo do coração…

Uma ótima semana para todos nós.
Força, beijos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *