Hospital

Bom, diário criado…

Hoje é domingo, dois dias depois do descobrimento “acidental” da diabetes no Gui. E já perdi as contas de quantas vezes agradeci por ter sido assim, acidental, sem uma crise mais séria que poderia ter acontecido por esses dias… do jeito que estava desregulado, ele poderia ter tido uma “pane” na sala de espera do hospital.

Há um mês e meio temos notado que ele estava bebendo muito mais água do que o normal e fazendo muito mais xixi também, inclusive acordando várias vezes durante a noite…achei que podia ser algo errado, coisa de mãe, mas depois pensamos que era do calor extremo que tem feito nessa terra.

De repente deu um estalo. Falei com minha mãe e na hora ela disse “vai ver, ta com cara de diabetes”…e meu chefe, que apesar de publicitário, sabe tudo de saúde/doença/remédio, reforçou a previsão. Na quinta-feira, dia 18, falei com a pediatra que conhece ele desde bebê, pediu os exames e fizemos na sexta de manhã…

Foi uma sexta longa, e no final da tarde, ligou uma médica do laboratório, já com a resposta: “seu filho está com excesso de açucar no sangue (taxa de glicemia = 206), mas o mais preocupante (aff, tem mais??) é que ele está com uma alteração séria na urina que indica desidratação, por favor, leve-o URGENTE para o hospital…”

Bom, eu ainda estava na agência e quem me conhece sabe o que aconteceu: eu escutei atentamente a mulher falando, e assim que desliguei, desabei no choro….(a sorte é que trabalho entre amigos e não tenho que me preocupar com aparências!!).

A primeira coisa que veio naminha cabeça, depois de ter lido algumas coisas na internet na própria sexta-feira, foi: meu filho vai ter que tomar injeção todos os dias, para o resto da vida. E na sequência a cabeça continuo produzindo pensamentos instantâneos: Tudo que eu conhecia de rotina normal dos últimos 5 anos, não ia mais existir. Eu não vou aguentar. Medo, impotência, insegurança…

Lógico que agora, depois de mais informação, eu tenho certeza que vou dar contar, que vamos dar conta, porque graças à Deus não estou sozinha: Léo, meus pais, os pais do Léo, nossos irmãos, de sangue e de coração (que são muitos!). E estou decidida a não ter pena do meu filho, mas ter MUITA informação para deixá-lo o mais confortável e feliz possível. E dizem que apesar do controle diário, é vida normal..não que eu ache que alguém aqui tem vida normal, maaaaaas….

Bom, esse foi o começo, e a minha idéia aqui, é contar como será o dia-a-dia, as dúvidas, os aprendizados, as conquistas, pq tenho certeza que os 140 caracteres do Twitter não darão conta!! E como teremos uma rotina forte de controle de números, vou marcando tudo por aqui também.

Sejam bem vindos, obrigada aos inúmeros contatos nesses 2 primeiros dias, foi incrível receber o carinho e a vibração positiva de tanta gente querida.

Força e bjos!